PALADINO? Ex-Deputado Ezequiel Jr. é indiciado criminalmente no caso “Operação Jacundá” a qual foi preso o ex-residente do DER em Machadinho do Oeste

A Polícia Civil de Machadinho deflagrou em dezembro de 2018 a “Operação Jacundá”, ação tal que culminou na prisão do ex-residente do DER (departamento de estradas e rodagens) em Machadinho, o sr. Reginaldo A.

Consta que Reginaldo foi denunciado por supostamente cometer crime de peculato e outras fraudes, para obter vantagens pessoais. RELEMBRE

Ocorre que juntamente com Reginaldo, ficou apurado pela Polícia que outras pessoas estavam envolvidas no caso, sendo um deles, o na época, deputado Estadual Ezequiel Jr.

O ex-deputado Ezequiel ficou conhecido por seus bate-bocas em redes sociais, onde frisava piamente que era um “Paladino” (defensor da moral e dos bons costumes), que seu nome nunca havia se envolvido em escândalo de corrupção nenhuma e jamais iria ser.

A redação do site procurou a delegacia de Machadinho para tentar obter informações à cerca do caso, e de acordo com os delegados responsáveis pelo caso, o ex-deputado foi indiciado pelo crime de *peculato, pois teria se aproveitado da condição em que se encontrava, Deputado Estadual, e mandado que o então residente do DER à época, fizesse a entrega de parte da madeira que estava no pátio do DER para a Igreja União do Vegetal localizada na cidade de Vale do Anari.

Sabe-se que para realizar essa doação, é preciso formalizar alguns documentos, para que haja legalidade, porém nada disso foi feito, e a explicação do ex-deputado dizendo que não sabia da ilegalidade, caiu por terra, já que, na ocasião, ele era conselheiro da referida igreja, e já teria feito doação de telhas para cobertura da igreja, sendo então o principal interessado que a “doação” dessa madeira ocorresse.

Reginaldo irá responder pelo crime de *peculato e fraude à licitação, pois ficou comprovado que ele utilizava veículos e combustível do DER para fins particulares, desviou pneus,  madeiras e demais materiais,  bem como também utilizava servidores do DER para realizar serviços em seu próprio benefício, além de supostamente desviar o dinheiro de uma emenda parlamentar destinada por Ezequiel Júnior.

Por: MACHADINHO190

*crime que consiste na subtração ou desvio, por abuso de confiança, de dinheiro público ou de coisa móvel apreciável, para proveito próprio ou alheio, por funcionário público que os administra ou guarda; abuso de confiança pública.

 

Comentarios

Todos os comentários são de responsabilidade dos seus idealizadores.